terça-feira, 5 de maio de 2009

Boa morte

Dedicado a uma amiga especial, Nathalia Potiguara,

que um dia me confessou ter medo da morte.

Espero que ao ler essas palavras ela

possoa relembrar certas promessas eternas.


frio leito

dor aguda

me acusa

mortal!


do que me curo?


fina lágrima

finda a dor

fim da luta

doce paz....

ssagem


disperso me despeço

desperto em um novo espaço

o especular se faz inútil

tateio o inescrutável


agora sou

o tempo já não é


um novo nascimento

cores e profundidades

do que antes eram sombras

a eternidade em suave brisa


do que me curo?

a cura da eterna saudade


os braços do Pai

paz real

indizível

imortal


Natal, 02.09
Renan Ramalho


5 comentários:

Flávio Américo disse...

Um dos melhores poemas que já li!

Elisa disse...

Finalmente postou! Massa ;)

Lara disse...

Oi querido! Saudades...
Vc leva jeito p coisa =)
Infelizmente não vou ao ECC mesmo.
Fica p próxima.
Beijos

THAYSA disse...

Lindo!
Acredito que você conseguiu o resultado que queria...Depois de ler esse poema, quem não vai querer ir até o "fim"?
Renan, tenha sempre essas inspirações.
:)

apulga disse...

desse eu realmente gostei!
=)
caro amigo racional